Fratura exposta






Quando o osso fraturado ou seu hematoma entra em contato com o meio externo denomina-se fratura exposta. Outras denominações possíveis como “fratura aberta” ou “fratura composta” não são utilizados com frequencia em nosso meio ( na língua inglesa é utilizado o termo open fracture ).

O grande problema da fratura exposta é a infecção óssea (osteomielite) que pode ocorrer. O osso é um “órgão” pouco vascularizado, o que torna difícil o combate à infecções . Da mesma forma, os antibióticos não podem agir adequadamente no osso infectado.

No atendimento ao paciente com uma ou mais fraturas expostas, deve-se inicialmente obedecer os princípios de um paciente vítima de trauma ou seja, seguir os princípios do ATLS.

Durante o ABCDE, no exame primário, a preocupação inicial com a fratura exposta será na Circulação , após a garantia de uma via aérea pérvia e de uma respiração adequada. Nesta fase, apenas o alinhamento do membro e a compressão do sangramento com ataduras é realizado em conjunto com uma imobilização provisória.

Após a reanimação do paciente, e após os exames subsidiários do exame primário, será feito o exame secundário e avaliação da fratura exposta com as radiografias dos membros fraturados.

O tratamento fundamental da fratura exposta é a prevenção de infecção com a limpeza exaustiva com 10 litros de soro fisiológico. A Segunda etapa também importante é o desbridamento dos tecidos que estão necrosados ou que estão desvitalizados e irão necrosar. A antibióticoterapia é um tratamento adjuvante e é feito com bactericidas de largo espectro de ação. Os mais utilizados são as cefalosporinas de primeira geração associados com aminoglicosídeos. Alternativa para essa associação é a cefalosporina de terceira geração. O agente infeccioso mais comum é o estafilococus aureus .

Para um tratamento mais adequado , assim como para a definição do prognóstico, foi criado um sistema de classificação por Gustilo e Anderson para as fraturas expostas .

A classificação está resumida na tabela:

Tipo I

Tipo II

Tipo III

ferimento

< 1 cm

1 a 10 cm

> 10 cm

Contaminação

pouca

moderada

grande

Lesão óssea

Simples ( traço transverso ou oblíquo)

Pouca cominuição

Cominutiva ou segmentar

O tipo III é subdividido em 3 tipos

III A

III B

III C

È possível cobrir o osso fraturado

Não é possível a cobertura óssea

Lesão vascular que precisa ser reparada

Após a limpeza cirúrgica, a estabilização do osso pode ser feita com qualquer método. O mais utilizado em fraturas expostas é o Fixador externo, pois permite a realização de curativos com maior faciliadade.

Em geral, a ferida na pele não deve ser suturado no tratamento de urgência das fraturas expotas para que não ocorra a formação de um hematoma ou abscesso.

A profilaxia contra o tétano é obrigatória: Se o paciente está imunizado(vacina nos últimos 10 anos), apenas a vacina antitetânica é utilizada, caso contrário, a imunoblobulina humana contra o tétano também deve ser prescrita.

Após alguns dias , quando na certeza que não haverá infecção, o tratamento definitivo da fratura é realizado.

Fratura exposta Fratura exposta Editado por saude.chakalat.net on 10:50 Nota: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.